Estudo Bíblico Online - a Palavra de Deus é viva!

Aspectos históricos e literários da Bíblia: Crescimento

A formação ou crescimento da Bíblia chegou ao estado em que hoje a encontramos depois de muitos séculos. Em traços gerais veremos as passagens e os livros que foram escritos em cada época.

Por Dimar Luiz dia em Artigos visitas: 494

Aspectos históricos e literários da Bíblia: Crescimento

A Bíblia não apareceu repentinamente encadernada. Como todas as pessoas, foi crescendo devagar. Igual a uma grandiosa catedral, foi sendo construída pedra sobre pedra; como os grandes poemas, verso a verso.

A formação ou crescimento da Bíblia chegou ao estado em que hoje a encontramos depois de muitos séculos. Em traços gerais veremos as passagens e os livros que foram escritos em cada época.

1. Durante o II Milênio a.C.

Nos últimos séculos desse milênio, tomando como ponto de partida a Aliança do Sinai, são escritos, sobretudo, os Santuários de Siquem, Betel, Hebrón e Bersebá:

- O Decálogo: Ex 20,1-7; Dt 5,6-11.

- O Código da Aliança: Ex 20,22-23,19.

- Os Mandamentos de Siquem: Dt 27,15-36.

- Legislação cultural e jurídica.

- Ex 15,21;17,16; Nm 10,35-36;21,17-18;21,27-30.

Pouco depois, mas ainda antes do ano 1030 a.C.

- O Código de Renovação de Aliança: Ex 34,10-26

- O canto de Débora: Jz 5.

- As Bênçãos de Jacó: Gn 49.

- O Cântico de Moisés: Dt 33.

- O Canto do Mar Vermelho: Ex 15,1-18.

- 1Sm 4,17; Jz 13-16

2. 1030-931 a.C.: A Monarquia

A administração do Reino exigia “arquivos oficiais”. O rei Davi, poeta, músico e organizador, deu enorme impulso à literatura e ao culto litúrgico.

- Elegia por Saul e Jônatan: 2Sm 1,17-27.

- Elegia por Abner: 2Sm 3,33-34.

- Alguns Salmos: 22; 110; 18; 69.

- Profecia de Natan: 2Sm 7.

Nos Tempos de Salomão

- Começa a tradição Javista (J) em Judá, que relata a criação, a história dos patriarcas, a escravidão no Egito, o Êxodo, a Marcha pelo deserto.

- Histórias da família de Davi: 1Sm 16-17;19-20

- Pr 10,22; 25,29.

3. 931-721 a.C.: Os Dois Reinos

São escritos os “Anais do reino”, cujos paralelos encontramos em 1º e 2º Samuel e Reis.

- São escritos os relatos de Elias e Eliseu.

- Começa a Tradição Elohista (E) no norte, que encontramos em Gênesis, Êxodo e Números.

- Código do Deuteronômio Dt 12,26.

- Alguns textos sapienciais.

- Primeira redação do Deuteronômio (D) nos tempos de Ezequias.

- Salmos Reais.

- Amós, Oséias, Isaías (1-39) Miquéias, Jeremias.

4. 721-586 a.C.: Entre os dois desterros.

- Primeira redação de Josué-Juizes-Samuel e Reis.

- Sofonias, Nahum, Habacuc.

- Muitos Salmos.

5. 586-538 a.C.: Desterro de Judá

- Durante o desterro: Ezequiel, Lamentações e Livro da Consolação: Is 40-55.

- Sacerdotes de Jerusalém escrevem a tradição Sacerdotal (P), que sintetiza teologicamente a história desde as origens até Moisés. Nós a encontramos, sobretudo no Levítico, mas também em Gênesis e Números.

- Os Cânticos dos Cânticos do servo de YHWH.

6. 538-333 a.C.: Império Persa

- Imediatamente depois do Desterro: Ageu, Zacarias, Is 56-66.

- Jó e Rute

- Unem-se as quatro tradições: J E P D[1], Malaquias, Abdias, Jonas.

- 1º e 2º livro de Crônicas, Esdras e Neemias.

- Joel e Zacarias.

- Cântico dos Cânticos, Tobias.

- Ficam fixados o Pentateuco e Provérbios.

- Salmos de Culto.

- Ester em Hebraico.

7. 333-50 a.C.: Época Helenística.

- Eclesiastes e Sirácides.

- Fica fixado ao Saltério.

- Baruc e Daniel.

- 2º e 1º livro de Macabeus.

- Sabedoria.

8. 51-100 d.C.: Novo Testamento

Ao longo da segunda metade do século I a.C., foram colocados por escrito os livros do Novo Testamento.

Ano

51: 1ª e 2ª carta aos Tessalonicenses.

56-57: Gálatas, 1ª e 2ª Epístola aos Coríntios.

57-58: Romanos e Tiago.

61-63: Filipenses, Colossenses, Efésios e Filemon.

61: 1ª de Pedro, Evangelho de Marcos.

65: 1ª Timóteo, Tito, e Hebreus.

67: 2ª de Timóteo.

70-80: Mateus, Lucas, Atos, 2ª epistola de Pedro e Judas.

80-90: Apocalipse, 2ª e 3ª Carta de João.

90-100: 1ª Carta de João e Evangelho de João.

Dessa maneira a Bíblia foi crescendo e engrandecendo-se. No estado que a conhecemos hoje, ela está em seu pleno desenvolvimento e maturidade. Nada se pode acrescentar nem subtrair a ela, sob pena de se estar subtraindo ou acrescentando algo à palavra de Deus.

[1] Estudiosos da Bíblia descobriram que existem, na base da formação do Pentateuco, quatro documentos diferentes (também chamados de tradições):

1. O Documento Javista (J), escrito no século IX ou X a.C. no reino de Judá;

2. O Documento Eloísta (E), datado do século VIII a.C. e composto no reino de Israel;

3. O Documento Deuteronomista (D), também do reino de Israel, escrito pelo século VII a.C;

4. E o Documento Sacerdotal (P), composto durante o Exílio, no século VI a.C.

Fala-se de pelos menos três redações do Pentateuco, até chegar ao texto que temos hoje. A primeira uniu os documentos Javista e Eloísta e aconteceu no reino de Judá após a destruição do reino de Israel em 722 a.C. pelos Assírios. A fusão foi tão perfeita que fica difícil delimitar os textos e descobrir de qual documento são. A segunda redação foi feita depois da reforma religiosa de Josias em 622 a.C. que acrescentou o documento deuteronomista à redação anterior. A terceira redação aconteceu durante o Exílio (589-539 a.C.).

Compartilhe esse post: